Um guia para uma escapadela rápida ao outro lado da Europa. A Estónia tem argumentos para uma curta viagem. 3 dias bastam para conhecer o rico Património Cultural e uma paisagem natural admirável.

Talin

Com um território que é cerca de metade de Portugal, uma população oito vezes menor e um produto interno bruto per capita igual ao dos portugueses, a Estónia tem argumentos para uma curta viagem. 3 dias bastam para conhecer o rico Património Cultural e uma paisagem natural admirável.


Esta foi a beleza que o antigo domínio soviético tentou manter secreta, proibindo a entrada na ilha de Saaremaa e limitando o acesso aos pântanos, como o de Marimetsa, a determinados dias do ano. Se acrescentarmos a tudo isso o dinamismo visível nas diversas áreas de atividade económica – por todo o lado carros de gama alta com matrículas recentes –, torna-se fácil concluir que estamos perante uma comunidade desejosa de agarrar o futuro sem perder a âncora de um passado que assume orgulhosamente a herança nórdica. Virada sem hesitações para o mar Báltico que serve de elo de ligação às vizinhas Finlândia e Suécia (Talin fica a 82 quilómetros de Helsínquia e a 380 de Estocolmo), a Estónia tornou-se independente da URSS em 1991 e desde então aderiu à NATO e à União Europeia.

Dia 1

Torres e muralhas
Qualquer viajante em Talin deve começar-se pelo ex-líbris da capital: a muralha medieval pontuada por 26 torres (das 46 originais) que rodeia a Cidade Velha. Foi classificada em 1997 pela UNESCO e recorda a cruzada contra os últimos pagãos da Europa. Foi ali, na colina Toompea, onde hoje se erguem o Parlamento e a sede do Governo – com um miradouro a oferecer uma panorâmica da cidade até às margens do Báltico – que, segundo a lenda, o rei dinamarquês Valdemar II viu aparecer no céu uma bandeira com uma cruz branca em fundo vermelho. O monarca rezava antes do combate decisivo, em 1219. Os invasores ganharam a batalha e o estandarte tornou-se a bandeira da Dinamarca.

Em compensação, deram aos estonianos o nome da capital – Talin deriva de Taani linna, isto é, «o castelo dos dinamarqueses». Por toda a Cidade Velha há igrejas que merecem visita, sobretudo luteranas, como a de São Nicolau e a de Santo Olavo (a torre desta, com 159 metros, chegou a ser o edifício mais alto do mundo, nos séculos XV e XVI). Também as há ortodoxas, como a Catedral de Santo Alexandre Nevski. A profusão de locais de culto não impede que os estonianos sejam considerados o povo menos religioso do mundo.

Se a parte alta da Cidade Velha testemunha o poder dos nobres medievais, com destaque para os cavaleiros teutónicos (alemães) que dominaram os países bálticos até ao fim da Idade Média, a parte baixa, incluindo a Praça do Município (Raekoja), mostra a riqueza dos mercadores da Liga Hanseática, que se prolongou até ao Renascimento. As grandes casas com portas em ogiva, a fazer lembrar as das catedrais góticas, que serviam de residência e armazém aos comerciantes (parceiros de negócio, entre outros, dos portugueses, através de quem recebiam pimenta e outras especiarias do Oriente), estão hoje quase todas transformadas em restaurantes.

As casas da parte baixa da capital preservam a memória do tempo dos ricos mercadores da Liga Hanseática, numa cidade marcada pelo Báltico.

talin17

12h00

Compras para todos
As lojas de marcas internacionais e de artesanato local de qualidade, bem como os principais centros comerciais, concentram-se nas ruas Viru e Müürivahe, na zona mais cosmopolita da Cidade Velha. Há camisolas de lã com padrões típicos do folclore local, toalhas de linho bordadas e cobertores também bordados, além de peças em âmbar.

13h00

Sois servidos?
No restaurante Olde Hansa, os pratos são inspirados em receitas do século XV. Prova-se a caça (javali ou salsichas de alce), acompanhada por gengibre, cebola caramelizada, lentilhas e cevada cozida, tudo regado com uma cerveja artesanal aromatizada com ervas, mel ou canela. Os empregados, vestidos à época, encorajam os comensais a escolher um representante, o «mestre da mesa», que se encarrega de transmitir pedidos, queixas e elogios. Um banquete de degustação ronda os 25 euros por pessoa.

15h00

Heróis do mar…
A curta distância do centro, numa reentrância do Báltico, fica o antigo porto de hidroaviões, hoje Museu Marítimo da Estónia Lennusadam. Abrigada pelos gigantescos hangares está uma impressionante coleção que conta a história das façanhas navais dos estonianos, com destaque para o submarino Lembit e para um hidroavião Short 184. O mais divertido é que os visitantes podem descer pela escotilha do submarino e percorrê-lo em toda a sua extensão (até mexer nos botões de lançamento dos torpedos ou sentar-se nos confortáveis bancos forrados de veludo vermelho nos aposentos dos oficiais, em contraste com os apertados beliches da restante tripulação).

Também é possível exercitar a perícia como piloto de hidroavião num simulador de voo, testar a pontaria como artilheiro no simulador de um canhão antiaéreo e experimentar fardas da marinha estoniana desde a época dos czares até aos tempos mais recentes (bilhete de adulto a 10 euros, criança a 5 euros. Mais informações em www.seaplaneharbour.com).

17h00

O Parque do Czar
No início do século XVIII, o czar Pedro, o Grande, mandou construir em Talin um palácio rodeado por um imenso parque. O resultado foi o maior espaço verde da capital, o parque Kadriorg, espalhado por 70 hectares. Além do palácio original, hoje museu, situa-se ali outro, mais pequeno, que serve de residência oficial ao Presidente da República, e também os museus Mikkeli e KUMU, o Museu de Arte da Estónia. O parque inclui ainda um lago, tendo no meio uma ilha artificial, toda ela um coreto.

talin7

18h00

O festival é do povo
Um dos monumentos mais grandiosos de Talin é o anfiteatro que serve de palco a um acontecimento que faz parar a Estónia de cinco em cinco anos: o Festival da Canção (nada que ver com festivais da Eurovisão e quejandos…). Num país durante muitos séculos ocupado por estrangeiros – depois dos dinamarqueses e dos cavaleiros teutónicos vieram os suecos e os russos –, a música tornou-se um dos pilares da identidade nacional. Os festivais de música tradicional iniciaram-se em meados do século XIX e desempenharam um papel importante na tomada de consciência que conduziu à independência da Estónia em 1918.

talin8

19h00

Memória da Guerra Fria
A não perder. O Museu do KGB é a prova de que os estonianos têm uma relação descomplexada com o passado, mas não esquecem os 50 anos de ditadura comunista. Para recordar esse passado existe no 23º andar do Sokos Hotel Viru o Museu do KGB, uma das mais recentes atrações de Talin. É uma história que merece ser contada. No início dos anos 1970, no âmbito da política de «coexistência pacífica» (e perante a necessidade desesperada de moeda estrangeira), a URSS decidiu encorajar o turismo vindo do Ocidente. Em 1972, a empresa estatal Intourist inaugurou em Talin o luxuoso Hotel Viru para servir de cartão-de-visita das maravilhas da «pátria do socialismo».

20h00

O busto de Sean Connery
As alternativas para jantar são múltiplas, mas se a aposta é na gastronomia local, «com alma», feita com produtos da região – sopa de peixe, bochecha de porco com puré de batata, cerveja de fabrico local, licor caseiro –, uma boa escolha é o Leib Resto ja Aed (www.leibresto.ee).

A entrada para a esplanada reserva uma surpresa: um busto de Sean Connery, o escocês que deu a cara a James Bond no cinema entre 1962 e 1971. Explicação: o edifício foi em tempos um clube de admiradores da Escócia (refeição por cerca de 15 euros).

Dia 2

talin9

11h00

Memória Olímpica
Com vista para a zona ribeirinha de Talin, a baía de Pirita foi o cenário das provas de vela dos Jogos Olímpicos de 1980, efeméride devidamente assinalada pelo clube de regatas local. Em instalações mais modestas, o clube de surf marca presença junto à marina. A praia fica a dois passos e, no verão, as águas calmas desta zona do Báltico conquistam moradores e visitantes. Na primavera convém levar um agasalho e uma proteção para a chuva miudinha que, por vezes, vem dar um ar da sua graça.

12h00

Bom gosto, bela vista
Um espaço amplo, arejado e luminoso, com um design moderno e paredes de vidro com visão panorâmica do mar Báltico com o skyline de Talin ao fundo, no lado oposto da baía: é o restaurante Noa. A cozinha é assumidamente gourmet. Refeição-tipo: beringela grelhada com queijo de cabra e molho de tomate (12 euros), peixe cozido ao vapor com ovas de salmão e puré de batata (18 euros), Surf & turf, que é como quem diz salada de carne de porco com pepino (12 euros) e cheesecake de limão ou gelado de manjericão (6 euros). O menu de degustação oscila entre os 50 euros (quatro pratos) e os 60 euros (seis pratos). Vale a pena.

Os moinhos de Angla mostram como vivia a população rural até ao século XX. Uma casa típica da ilha de Saaremaa. Ao lado, em cima, um passeio no pântano de Marimesta, paraíso da biodiversidade, e o Noa, uma experiência gastronómica com panorâmica sobre o Báltico.

15h00

Caminho sobre as águas
A Estónia não tem autoestradas, mas as estradas são boas e o trânsito calmo e respeitador dos limites de velocidade, à boa maneira nórdica. O território tem 55% de florestas e 22% de pântanos – e a cerca de hora e meia de carro da capital em direção a sudoeste fica o paul de Marimetsa. Nesta vasta área alagada, o último grito para os amantes da natureza são as caminhadas pelo pântano em raquetas de neve, o que dá a sensação de caminhar sobre uma imensa esponja encharcada (www.ee/en/bogshoeing). As raquetas e as indispensáveis botas altas de borracha são fornecidas pela empresa que organiza os passeios.

talin11

A guia, Triin Ivandi, conduz os viajantes por uma cobertura vegetal saturada de água cristalina (95% a 98%), enquanto revela os segredos dos musgos – que, pela capacidade de reterem ar e água podem ser usados como ligaduras ou até fraldas –, da turfa, das infusões de rosmaninho selvagem e das saborosas e energéticas bagas de espinheiro marítimo. O resultado é uma experiência de imersão num património natural cuidadosamente preservado (33 euros por pessoa).

18h00

Ilhas, moinhos e crateras
A estrada acaba em Virtsu, na costa ocidental, onde um ferry faz a travessia para a ilha de Muhu em 25 minutos. A ligação à vizinha Saaremaa, a maior ilha da Estónia, é feita através de uma ponte que leva o viajante à vila de Orissaare, onde há um curioso mercado semanal de produtos locais – desde brinquedos de verga a hortaliças, passando por peixe e enguias.Durante o período soviético, Saaremaa estava interdita ao cidadão comum que não fosse natural da ilha. Era considerada um posto avançado da URSS no Báltico, a curta distância da Finlândia e da Suécia. A proibição destinava-se a impedir os estonianos de caírem na tentação de desertar para o Ocidente.

talin10

Na capital da ilha, Kuressaare, merece visita o castelo do bispo, do século XIV, e a fachada de uma mansão construída para a muito esperada visita do czar Alexandre I, em 1812 – que acabou por não se realizar porque o imperador foi obrigado a fazer meia volta ao ser avisado de que Napoleão acabara de invadir a Rússia.

As principais atrações de Saaremaa (além do vodca que pôs o nome da ilha no mapa dos apreciadores da bebida) são os moinhos de Angla, onde ficamos a saber como viviam os habitantes da ilha até ao início do século XX, e as crateras de Kaali, causadas pela queda de meteoritos há cerca de 7500 anos. Além da cratera maior, com 110 metros de diâmetro e 22 metros de profundidade, há ainda oito mais pequenas.

21h00

O restaurante mais premiado
É no grande salão da casa senhorial de Pädaste, decorado com temas alusivos à gastronomia e iluminado por um candelabro monumental feito com utensílios de cozinha (talheres, pratos, garrafas…), que funciona o restaurante Alexander, classificado pelo quarto ano consecutivo como o melhor da Estónia. A cozinha assume-se tipicamente nórdica, inspirada nas tradições culinárias do Báltico e confecionada a partir de produtos do terroir da ilha.

Sugestão para o jantar: entrada de ovos de codorniz com vinagre balsâmico, seguida de pato curado e kohlrabi (uma espécie de nabo) acompanhado por um vinho branco chileno, coelho com espargos, regado com um tinto argentino e, para terminar, a sobremesa muhu apurokk, um pudim à base de ruibarbo e seiva de bétula caramelizada (de 25 a 100 euros). Uma experiência que deixa saudades.

Dia 3

10h00

Spa e lama milagrosa
De novo no continente, a próxima paragem é Pärnu, 118 quilómetros a sul de Talin, a mais procurada estância balnear do país desde finais do século XIX, ainda no tempo dos czares, também chamada a «capital de verão» da Estónia. Um passeio pela margem da baía explica porquê: extensos areais (areia branca e fina, como nas praias portuguesas), banhistas afoitos e praticantes de esqui aquático e kitesurf.

No verão, a cidade enche-se de famílias e grupos de jovens atraídos não só pela praia mas também pela animação: há festivais de arte e música para todos os gostos e idades, desde o rock ao jazz e à clássica. A moderníssima sala de concertos (Pärnu Concert Hall) é palco todos os nanos de uma série de espetáculos com a participação de grandes estrelas da música erudita de renome mundial, convidadas pessoalmente pelo maestro Neeme Järvi, filho querido da terra.

talin14

Outra razão para visitar Pärnu são os spas que se multiplicaram nos últimos anos nesta cidade de grandes tradições termais. Os tratamentos à base de lama são muito procurados por razões de saúde e estéticas, designadamente por clientes finlandeses e suecos.

14h00

Tartu, Cidade Universitária
A segunda cidade da Estónia é a mais velha dos países bálticos, mencionada desde o século XI. A Universidade de Tartu é a mais antiga e prestigiada do país, atraindo estudantes de todo o mundo. Dos 100 mil habitantes da cidade, 22 mil são estudantes. Se dúvidas houvesse sobre a importância que lhes é concedida, bastava chegar à praça principal para se dissiparem: a estátua de bronze que domina o espaço representa um par de jovens num beijo. A imagem de marca local são os grupos de jovens universitários a namorar, a passear ou sentados a ler em qualquer recanto dos jardins espalhados pelas duas margens do rio Emajögi.

Centro Comercial Port Artur, onde as grandes marcas mundiais marcam presença em Pärnu, a principal estância de férias.

16h00

Ciência descomplicada
Uma das atrações mais populares de Tartu é o Centro de Ciência AHHAA (www.ahhaa.ee/en). De maneira simples e divertida, os visitantes são convidados a experimentar vários fenómenos, descobrindo segredos da física, da química, da eletricidade, da astronomia ou das ciências naturais. Não faltam as ilusões de ótica, a possibilidade de provocar alterações climáticas em laboratório – e verificar as respetivas consequências – e de «criar» montanhas e vales, rios e mares. Uma lição sobre como tornar aliciante a descoberta científica (bilhetes a 12 euros; 26 para famílias).

talin13

18h00

Quinta gastronómica
Última etapa na viagem de regresso a Talin: a Quinta Gastronómica Ööbiku, em Kuimetsa, onde o chef Ants Uustalu, de 35 anos mas já veterano do Bocuse d’Or, prepara as refeições com aquilo que ele próprio cultiva, apanha, cria ou caça na floresta. A sobremesa é marcada pelo sabor inesperado do gelado fumado (!) de ruibarbo. Primeiro estranha-se, depois entranha-se… com o estímulo do vodca caseiro de maçã com rebentos de pinheiro (menu de degustação: 33 euros). Terviseks!, que é como quem diz: Saúde!

Texto de Rosa Ferreira - Fotografias de Orlando Almeida/Global Imagens
Partilhar