As ruas irregulares que levam ao Templo de Diana são as mesmas que encaminham por uma viagem pelo paladar: os sabores conventuais, a gastronomia alentejana e os vinhos. E se o centro histórico se revelar pequeno para tanta sede de saber, há ainda todo o passado por explorar de uma cidade que, em 2016, vê cumpridos 30 anos sobre o título de Património Cultural da Humanidade.

Mal a noite começa a cair, as ruas que cruzam a Praça do Giraldo começam a encher-se de outra gente: os mais novos – os estudantes – tomam o pulso ao centro histórico. Horas antes, esse mesmo espaço estava ocupado por homens agrupados à conversa e por mulheres que carregavam pequenos sacos de compras. O mais curioso é que esta vivência não acontece por uma qualquer razão extraordinária. Não, este é mais um dia na cidade, que neste ano coomemora três décadas de Património Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Vista de dentro ou por fora das muralhas, sobram razões para quem quer conhecer, provar, beber ou apenas contemplar Évora. O importante é ir com tempo e garantir um ponto de partida para começar o dia e para regressar à noite. Laura Correia e Carlos Carvalho pensaram nisso quando adaptaram a moradia da família e a transformaram numa casa que está, hoje, disponível para receber outras famílias: os cinco quartos do 4Évora Hostel têm capacidades variáveis, entre quatro e sete pessoas. Por aqui, é possível cozinhar ou encomendar o pequeno-almoço e o jantar. E apesar de a piscina e o barbecue terem um ar convidativo, este espaço permite o aluguer de bicicletas. Não faltam, por isso, pretextos para ir ao centro histórico ou aos arredores da cidade ver monumentos megalíticos, o célebre aqueduto, as fortificações ou a adega da Fundação Eugénio de Almeida.

Se o objetivo é conhecer melhor o vinho alentejano, então a visita pode mesmo começar nas varandas do 4Évora Hostel: é que a vista estende-se sobre os vinhedos da Quinta da Cartuxa. Um curto passeio a pé e está-se diante da adega que se encontra inserida num edifício do século XVI. É nestas salas frescas, algumas repletas de ânforas, que repousam e estagiam milhares de litros de vinho da emblemática casa. Na parte final da visita chega a surpresa, um corredor em que as castas tipicamente alentejanas são as grandes protagonistas: Trincadeira, Antão Vaz e Castelão são três das cinco que se podem conhecer melhor, desde a história ao aroma. No final, é possível saboreá-las a todas. E com um extra: também há provas de azeite produzido pela Fundação (Álamos, EA e Cartuxa).

Évora não dorme à sombra do seu afamado talento para a gastronomia: doçaria e bons restaurantes abundam na cidade de sorrisos simpáticos.

Para continuar a pecar, o melhor é ir até ao centro histórico e à caraterística Rua 5 deOutubro para prosseguir na aventura pela enologia. A meio desta artéria está a Ervideira WineShop, onde é possível conhecer e provar o que o Alentejo, mais interior e com vista sobre o Alqueva, tem para mostrar.

Mas em Évora não existem apenas os vinhos. A doçaria promete ser uma tão grande ou maior perdição. Maria Ercília Zambujo sabe como desviar incautos para os sabores conventuais. Das mãos desta doceira, na pastelaria Pão de Rala, saem fidalgos (feitos com 180 gemas), sericaias, encharcadas, queijadas de Évora e outras tantas iguarias de perder a cabeça. Para os menos gulosos, a solução está na Confeitaria Pau de Canela. O cheiro a biscoitos que «enche» as ruas e que sai do forno comandado por Maria Manuel é, simplesmente, irresistível.

Mas como nem só de doces vive o homem, importa deixar as coordenadas para uma boa refeição. E Évora não dorme à sombra do seu afamado talento para a gastronomia regional, conhecida, aliás, em todo o país e não só. O restaurante Dom Joaquim, gerido pelo simpático Joaquim de Almeida (e não é o ator, como ele próprio salvaguarda), já conquistou um proeminente lugar no panorama da restauração, com a almofada de porco preto e as bochechas a concorrerem para o pódio dos pratos mais emblemáticos deste espaço. E ambas propostas podem muito bem ser acompanhadas pelo vinho da casa e que Joaquim também ajuda a fazer: o Herdade do Rocim. Se dúvidas há, o Guia Michelin resolve-as, já que lhe atribuiu o título de Bib Gourmand, uma categoria que aponta os melhores restaurantes a preços acessíveis.

De fama inquestionável, o Botequim da Mouraria, com 21 anos de história, é de passagem obrigatória. Obrigatório também é chegar bem cedo porque os apenas nove lugares – leu bem, nove lugares – ao balcão esgotam ainda antes da porta abrir. E o melhor é não trazer ideias feitas porque Florbela e Domingos terão sempre uma ótima proposta e sempre com sabores da época.

De barriga cheia, o melhor é dar um passeio alargado. E como a noite parece não adormecer no centro histórico, bom mesmo é ir escutar as gargalhadas que chegam dos bares. No Café Estrela d’Ouro convivem duas realidades. No café servem-se snacks
e tostas de pão alentejano, no bar, que só fecha portas às quatro da manhã, há bebidas para todos os gostos. Dois ambientes distintos que convivem no piso térreo de um edifício que nasceu por altura de 1600 e que ganhou nova vida nas mãos de António Varela. «Há 30 anos, este espaço abriu como um grande café. Mais tarde, e até 2012, foi um banco e depois disso a família voltou a ficar com este rés-do-chão e recuperou-o, tentando manter a traça original», conta o dono do café e bar.

Caso o tempo não chegue para completar esta visita pecaminosa, o melhor é começar a reservar vez para um regresso, de preferência em novembro, quando for altura de celebrar os 30 anos da cidade como Património Cultural da Humanidade da UNESCO. Pretextos não vão faltar.


Ficar

4 Évora Long Stays Academic Hostel
Rua Alfredo Henrique da Silva 1, Évora
Tel.: 266043953
Web: 4evorahostel.com
Cama simples: 19 euros; quarto de quatro camas: 31 euros (pequeno-almoço: 4 euros por pessoa)

Comer

Dom Joaquim
Rua dos Penedos, 6
Tel.: 266731105
Web: facebook.com/restaurante-dom-joaquim
Horário: 12h00-15h00 e 19h00-22h45; encerra ao domingo ao jantar e segunda todo o dia
Preço médio: 25 euros

Botequim da Mouraria
Rua da Mouraria 16, Évora
Tel.: 266746775
Web: facebook.com/botequim-da-mouraria-evora
Horário: 12h30-15h00 e 18h30-21h45; encerra aos sábados e domingos
Preço médio: 35 euros

Comprar

Pão de Rala
Rua do Cicioso, 47
Tel.: 266707 778
Web: facebook: facebook.com/pages/Pastelaria-Conventual-Pao-de-Rala
Aberto todos os dias, das 07h30 às 20h00

Confeitaria Pau de Canela
Travessa Lopo Serrão, 7-A
Tel.: 266700756
Horário: aberto das 09h00 às 19h00. Aos sábados encerra às 14h00 e fecha aos domingos

Com Saudade
Rua Alcarcova de Baixo, 29
Tel.: 965316681
Web: facebook: facebook.com/comsaudade
Horário: das 10h00 às 19h00. Fecha ao domingo

Beber

Adega da Cartuxa
Quinta de Valbom, Estrada da Soeira
Tel.: 266748300
Web: cartuxa.pt
Horário: aberto todos os dias das 10h00 às 19h00
Bilhete a partir de 5 euros

Ervideira Wine Tastings & Shop
Rua 5 de outubro, 56
Tel.: 266700402
Web: ervideira.pt
Horário: aberto todos os dias, entre as 11h00 e as 19h00

Café Estrela d’Ouro
Rua Miguel Bombarda, 1-7
Web: facebook: facebook.com/Café-Estrela-dOuro
Horas: aberto todos os dias das 10h00 às 04h00

Texto de Carla Bernardino - Fotografias de Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens