Reservas para os meses de verão cresceram 35%. Há hotéis já quase esgotados. Britânicos correm para marcar férias seguras.

Marcar férias de verão no Algarve este ano pode tornar-se uma tarefa difícil muito em breve. É que os turistas estrangeiros, com os britânicos à cabeça, já estão a fazer as suas reservas em busca de um destino de praia seguro, em fuga dos destinos sob ameaça terrorista ou do zika. Resultado: as reservas para o verão aumentaram 35%, já nesta altura, em relação ao ano passado e há hotéis praticamente sem lugares para a época alta.

“Temos alguns hotéis já com dificuldade em fazer reservas para os meses quentes”, reconhece Desidério Silva, presidente do Turismo do Algarve. Todo o setor hoteleiro e do turismo espera, por isso, que este ano seja muito positivo para a região. O aumento da procura está ligado, aponta Elidérico Viegas, presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), “a um desvio de fluxos turísticos de destinos concorrentes na bacia do Mediterrâneo e no Magrebe”. A que se juntou a epidemia de zika que também “tem trazido mais turistas para esta região”, acrescenta o responsável.

Um terço dos ingleses disse valorizar mais a segurança na hora de escolher um destino de férias.

Elidérico Viegas considera mesmo estarmos perante “um regresso ao passado”. “Os turistas estrangeiros trocaram o Algarve por destinos como a Turquia, Tunísia ou o Egito, mas a instabilidade lá acabou por trazê-los de volta ao Algarve e ao Sul de Espanha.”

Leia mais no Diário de Notícias.


Mais notícias sobre o tema:

20 praias secretas na Europa para ir no verão
Conheça os 20 melhores países para viajar sozinho

Por Ana Bela Ferreira/DN - Fotografias Direitos Reservados