Argentina, Bolívia, Peru, Inglaterra, República Checa, Sérvia, Croácia, Malásia, Tailândia, Camboja e Vietname. São estes os países por onde os participantes do Remote Year «Cousteau» vão passar durante um ano.

Dos 75 selecionados, entre cerca de 50 mil candidatos, está um único português. O João Pedro Coutinho, advogado de 28 anos, foi admitido para integrar o programa que cria a oportunidade a profissionais das mais diversas áreas de conseguirem trabalhar a partir de qualquer parte do mundo.

A aventura começou em março em Córdoba, na Argentina, e neste momento já saltou para a capital Buenos Aires. «Será certamente um ano especial, cheio de histórias, nos mais distintos lugares onde vou ter oportunidade de viver», contou-nos remotamente o João, que para sustentar a viagem se está a dedicar à tradução, por ser fluente em três línguas, e à escrita. O programa não faculta emprego a ninguém, o objetivo é que cada um destes participantes consiga desenvolver os seus projetos a partir de qualquer uma das doze cidades em cada canto do mundo, uma em cada mês do ano.

Há um custo inicial e uma mensalidade que cobre as viagens entre os destinos, as estadias, os espaços coworking, assim como atividades e eventos que unem estes nómadas digitais com as comunidades locais (designadamente profissionais). De 2011 ao começo de 2016, João Coutinho trabalhou numa sociedade de advogados e, depois de «por mero acaso ter lido um artigo sobre o Remote Year», quis lançar-se num novo desafio de vida. Aquilo que o entusiasmou mais não foi tanto o poder viajar para os destinos, mas mais o poder viver neles.

O grupo do Remote Year a que pertence, «Cousteau», é formado por nómadas de 13 nacionalidades, com idades compreendidas entre os 23 e 46 anos, que trabalham nas mais diversas áreas – do marketing às finanças, passando pelo design e pela escrita.

As doze bases de trabalho vão ser na América do Sul, Europa e Ásia: Córdoba e Buenos Aires (Argentina); La Paz (Bolívia); Cusco (Peru); Londres (Inglaterra); Praga (República Checa); Belgrado (Sérvia); Split (Croácia); Kuala Lumpur (Malásia); Chiang Mai (Tailândia); Phnom Penh (Camboja); e Ho Chi Minh City (Vietname).

Vamos ficar à espera de mais histórias do João.

Por Nuno Mota Gomes - Fotografias Direitos Reservados