Diário de bordo – novembro

Estradas sem fim, estados sem fronteiras, liberdade e gente com histórias.

Por Catarina Carvalho, diretora 04 Nov 2016

Todos temos os nossos vícios. O meu é partir estrada fora pela América. Chamo-lhe assim, América, e não o burocrático Estados Unidos da. América soa extamente àquilo que quero dizer, a caminho que é um sonho, uma história.

Isto, na América, quer dizer várias coisas. Há o próprio caminho. Longo, como pede um grande país sem fronteiras. Hei de sempre lembrar-me de percorrer, com música americana escolhida por década nas estações digitais de rádio, estradas como a californiana Pacific Coast Highway – que ladeia o mar entre escarpas e praias doces – ou como a New Jersey Turnpike, que fervilha do trânsito suburbano a chegar a Nova Iorque, ou mesmo a estreita e íngreme Estrada 25 E que bordeja os Apalaches, entre o Kentucky e o Tennessee.

Depois há a certeza de que qualquer lugar em que paremos, um motel de estrada, uma cidade ou uma estação de serviço, nos vai parecer tão famliar que estaremos a viver um dos nossos sonhos. Não é dos filmes nem é dos livros. É da realidade da América, o país mais narrativo do mundo. Em qualquer desses lugares há de sempre haver uma história à nossa espera. Seja uma tarte de abóbora especial ou um velho conservador.

A tudo isto acresce a segurança – a geral e a das estradas, com afáveis, por vezes até pacholas, condutores. E o segredo atrás disto tudo, o de ser um país onde toda a gente fala a mesma língua, ainda que com sotaques diferentes, e a mesma linguagem: a da liberdade e do indivíduo. Quando cada pessoa se julga digna de ser personagem da sua vida, essa vida será certamente interessante. Para ela e para os outros.

Catarina Carvalho, diretora
catarina.carvalho@globalmediagroup.pt

 

Neste mês connosco

Leonídio Paulo Ferreira, Jornalista
O subdiretor do Diário de Notícias assina todos os meses uma entrevista em que um embaixador creditado em Portugal fala sobre algo por que o seu país é conhecido. Ajuda muito na descoberta o facto de Leonídio ser especialista na área internacional.

Helena Coelho, Jornalista
Especialista por profissão em economia e em viagens por paixão, Helena Coelho tornou uma pausa sabática na oportunidade de percorrer os Estados Unidos. Fez-se à estrada com um grupo de amigos no que resta da Route 66, com pequenas derivações. O resultado é o portfólio que publica neste mês e que a fez «mudar de opinião» sobre os americanos.

 

Assine a Volta ao Mundo em papel e digital durante um ano. Saiba aqui.