Os Goodwin são uma família que foge aos padrões considerados “normais”: para eles, viajar pelo mundo é a melhor educação que uma criança pode ter.

Aamion Goodwin nasceu no México, numa cabana de barro, e não possui certidão de nascimento. Viveu sempre com o seu pai, um surfista que levava uma vida de nómada e que rejeitava as restrições e imposições da sociedade moderna. Juntamente com a madrasta, pai e filho saltitavam entre a Nova Zelândia, as ilhas Fiji e a ilha de Kauai, no Hawai, onde aprendeu a surfar e onde foi campeão várias vezes.

Um estilo de vida que Aamion e a mulher, Daize Shayne, fizeram questão de passar para os filhos, Given e True. Daize, uma surfista apaixonada pelo mar, era a cara da Roxy (marca internacional ligada a esta modalidade) e campeã de surf em longboard. Em comum tinham, para além do surf, o amor pelas diferentes culturas e pela simplicidade da vida. «Não preciso de muito para ser feliz e ter um bom estilo de vida. E é isso que tento transmitir e passar para os meus filhos e para a minha família», afirma Aamion.

E foi exatamente isso que os Goodwin decidiram fazer: deixaram a ilha Kauai para irem à descoberta de 15 países durante 14 meses. No total, foram 40 as cidades visitadas.

Esta viagem pelo mundo foi acompanhada por Jess Bianchi, amigo de infância de Aamion. Com uma educação totalmente oposta à do surfista, Jess soube desde logo que a aventura do companheiro não seria apenas umas férias prolongadas: seria o passar de um legado iniciado pelo pai de Aamion para toda a família.

Jess Bianchi decidiu que aquela seria a oportunidade perfeita para um filme. A trabalhar na área já há alguns anos, o realizador largou o trabalho na produtora Avocados and Coconuts e embarcou com os Goodwin para guardar todos os momentos da experiência.

Given, nome do filme, é contado através da perspetiva do primeiro filho da família nómada, que tem o mesmo nome.

O filme está disponível no iTunes, Amazon e Google Play, a partir do dia 4 de março.
Por Mafalda Magrini – Fotografias Direitos Reservados

Veja também:

Katy e Ricardo foram fazer voluntariado, mas faltou-lhes a vontade de voltar

Conheceram-se a viajar e nunca mais se largaram: agora são três malas

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.