Tal como a criatura mitológica que lhe dá nome, o Chimera tem três cabeças. Além de Adam, Hugo Ferreira e Thomas Mancinni, português de gema nascido no Brasil. Todos eles cozinheiros com passagem por restaurantes bem cotados, todos eles sócios - e todos eles convictos de que a cozinha não tem de ser um bicho de sete cabeças.

Chimera: três cabeças, um coração

Adam Heller precisava de divertir-se. «Estava cansado de cozinhas demasiado institucionalizadas, com tudo muito estabelecido», conta este americano de Chicago, braços tatuados, alargador na orelha, boné John Deere na cabeça.Um chef rock n”roll, a condizer com o ambiente informal do sítio e a banda sonora, debitada por um velho gira-discos onde rodam Janis Joplin, Genesis, Queen.
«Não tentamos fazer este ou aquele estilo de comida, apenas coisas feitas com o coração», diz Adam. No sentido figurado e no literal, já que as miudezas são uma das peculiaridades da comida portuguesa que mais lhe agradam. Thomas sublinha a comfort food como linha-mestra da carta, desenhada a seis mãos e mudada com a regularidade que os produtos disponíveis no mercado o ditarem.
Além de tricéfala, esta Chimera tem também duas caras: de dia, os pratos pendem mais (mas não totalmente) para o tradicional, com escolha à carta e preços muito razoáveis; à noite, aumenta o elemento de diversão, com um menu de doze pratos que junta degustação e liberdade de escolha. O cliente pode optar por três, cinco ou sete momentos – e aceitar, se assim o entender, as sugestões de vinho a copo apresentadas no formulário «de encomenda». (Refira-se que os vinhos são de pequenos e médios produtores, com uma lista curta mas recheada de boas surpresas.)
Na carta, não há pratos garantidos, mas experiências que deixam vontade de regressar regularmente. Exemplos avulsos: sopa fria de beterraba com pepino, rabanete e cominhos; um salmão de cura própria acompanhado de crème fraîche de aneto e nectarina, de uma perfeição inesperada; e uma perca suculenta sobre espinafres crocantes, molho piccata e alcaparras. Quem disse que demasiados cozinheiros estragam o prato?

Chimera
Rua do Salitre, 131B (Av. da Liberdade)
Tel.: 918717050
Web: chimera.kitchen
Preço médio: 10 euros (almoço); menus a 15/22/28 euros (3/5/7 momentos; jantar)
Horário: De segunda a sábado, das 12h às 15h00 e das 20h às 23h30 (segunda, só almoço; sábado, só jantar)