Vale de Lauterbrunnen
Suíça

A Suíça? Sim, a Suíça, esse pequeno país que tem fama de cinzentão mas que possui algumas das mais belas paisagens europeias, com especial destaque para o vale de Lauterbrunnen. Um vale em plenos Alpes, com escarpas e cumes montanhosos de cortar a respiração, prados silenciosos pintados de diferentes cores e nada mais nada menos do que 72 cascatas.

Cratera de Ngorongoro
Tanzânia

DR

Há quem lhe chame a Arca de Noé de África, tal o número de espécies. Devido às suas caraterísticas (a maior cratera vulcânica inativa do mundo) são vários os animais herbívoros que ali vivem todo o ano. É também por isso mesmo um local perfeito para os grandes predadores se alimentarem. A cadeia alimentar e a lei da natureza no seu expoente máximo.

Amazónia
América do Sul

DR/South America Tourism

É tarefa impossível descrever a Amazónia em tão poucos carateres. Dizer que é a maior floresta tropical do mundo ou que representa mais de metade das florestas tropicais existentes no planeta é manifestamente insuficiente. Seria igualmente necessária uma revista inteira para falar das espécies ali existentes. Distribuída entre Brasil (cerca de 60 por cento do território) Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa, é daquelas viagens de uma vida. Se bem que várias vidas não cheguem para conhecer todo o território.

Montanhas Tatra
Polónia e Eslováquia

DR/Poland Tourism

Há mais montanhas e estâncias de esqui europeias para além dos Alpes e dos Pirenéus. Na Polónia e Eslováquia ficam as montanhas Tatra, parte integrante dos Cárpatos – uma das maiores cordilheiras europeias. Com inúmeros trilhos para os praticantes de caminhadas e montanhismo, tem também uma série de lagos e paisagens muito próprias e ainda relativamente desconhecidas. Já para não falar das 15 montanhas com uma altitude superior a dois mil metros.

Vancouver Island
Canadá

Benjamin Rondel/First Light/Corbis

500 quilómetros de comprimento, 100 quilómetros de largura, a maior ilha a oeste do continente americano (entre a América do Norte e a Nova Zelândia), um local que muitos consideram como um resumo daquilo que é o próprio Canadá. Há montanhas, florestas cerradas, lagos, mas também, uma série de praias. Imaginem só as atividades ligadas à natureza que é possível praticar!

Galápagos
Equador

Frans Lanting/Corbis

É um dos destinos maiores para todos os apaixonados por natureza. Um conjunto de 13 ilhas, apenas quatro delas habitadas, situadas a cerca de mil quilómetros do equador e unanimemente consideradas como o habitat com maior biodiversidade do planeta. Um local que o naturalista Charles Darwin visitou em meados do século XIX e que em muito inspirou o seu livro A Origem das Espécies.

Oásis de Siuá
Egito

René Mattes/Hemis/Corbis

Ruínas faraónicas, ruínas romanas, fortalezas medievais, lagos, bosques de tamareiras e de oliveiras lado a lado com as dunas e pequenos desertos, tudo isto pode ser encontrado no Oásis de Siuá, paraíso situado a cerca de 50 quilómetros da fronteira da Líbia e a mais cinco centenas do Cairo. É habitado por 23 mil pessoas, a maioria de origem berbere.

Floresta do Congo
África

DR/Go Congo TourOperator

Chama-se Floresta do Congo (ou Selva do Congo) mas estende-se ao longo da República Democrática do Congo, República do Congo, Gabão, Guiné Equatorial, Camarões e República Centro-Africana. A segunda maior floresta do mundo, depois da Amazónia, que, tal como esta, nem sempre está nas notícias pela sua beleza, mas também devido à desflorestação e caça furtiva.

Lago Titicaca
Peru e Bolívia

Hugh Sitton/Corbis

É o berço mitológico da civilização Inca. Localizado entre o Peru e a Bolívia está a uma altitude de 3811 metros acima do nível do mar, tornando-o por isso no mais alto lago navegável comercialmente. É também o maior lago da América do Sul. Possui cerca de quarenta pequenas ilhas, algumas delas povoadas e repletas de casas feitas com esteiras de junco onde se pode comprar artesanato local.

Salar de Uyuni
Bolívia

Um deserto de sal situado a mais de 3500 metros de altitude, um mar branco com cerca de 10 500 km2 de extensão onde se calcula que existam mais de dez mil milhões de toneladas de sal. A partir de novembro o gelo dos Andes começa a derreter, algumas zonas ficam interditas à circulação, mas multiplicam-se os lagos e aparecem inúmeras espécies de aves, entre elas os flamingos.