Alguma vez chorou ao ver um filme num voo de longo curso? Se sim, não foi a única pessoa a fazê-lo.

O facto de se estar mais predisposto a chorar a altas altitudes está relacionado com os canais lacrimais que ficam mais sensíveis no ar do que em terra.

De acordo com um estudo realizado pela Virgin Atlantic, 44% dos passageiros masculinos confessam que «se escondem debaixo de um cobertor para não mostrarem as lágrimas durante o voo». As mulheres na mesma situação assumiram fingir «ter algo nos olhos».

No geral, mais de metade dos entrevistados disse ter vivido grandes emoções a 10 mil metros de altitude – o suficiente para que a Virgin começasse a emitir avisos antes de filmes que pudessem fazer os passageiros chorar. Mas por que razão acontece este fenómeno peculiar?

O Telegraph Travel investigou o assunto para provar que há um fundo científico nesta questão.

Começando pelo início: porque choramos, afinal?

A questão é, de facto, um enigma. Porque certas emoções desencadeiam uma criação excessiva de líquidonos olhos dos humanos, da mesma forma que uma cebola o faria? Alguns cientistas sugerem que é um comportamento evolutivo associado aos laços afetivos entre pessoas. Chorar encoraja os outros a intervir e dar conforto, o que fortalece os laços sociais.

Segundo o bioquímico William H Frey, que estudou esta matéria durante a década de 1980, as mulheres choram cinco vezes mais do que os homens. Tal facto pode ser devido à hormona da prolactina, que está associada à produção de lágrimas e tem maior concentração nas mulheres.

Uma maior propensão ao choro também pode estar ligada à nacionalidade, como sugere a revista Cross-Cultural Research, que analisou 35 países e descobriu que as mulheres, em países mais ricos – incluindo os EUA e a Suécia – estavam ligeiramente mais propensas a chorar do que as de países em desenvolvimento, como a Nigéria e o Nepal.

E o sentimento relaxante que se tem depois de um bom choro? Isso poderá estar associado ao neurotransmissor leucina enkephalin, emitido quando choramos e que é um analgésico natural.

Então, por que razão se está predisposto a chorar mais num avião?

Boa pergunta. A maioria dos psicólogos já falou do tema, sugerindo que os voos colocam as pessoas num estado vulnerável. Nick Knight, médico de clínica geral que tem um especial interesse pelo estilo de vida das pessoas, disse ao Telegraph Travel: «Chorar é algo complexo, desencadeado por qualquer coisa, desde algo de bom a algo traiçoeiro. E colocar-se num ambiente desconhecido a 10 mil metros do chão e, portanto, longe do conforto da vida quotidiana, cercado por estranhos e até sons incomuns, insere-se nesse espectro».

«Ou seja, quando nos encontramos numa situação em que a fisiologia humana está alterada devido à baixa pressão de ar e aos baixos níveis de oxigénio, entramos em instabilidade emocional», acrescenta.

«Não há provas concretas nem razões absolutas. Mas chorar num avião não faz mal a ninguém», finaliza.


Veja também:
Pés sujos, nudez e comida desperdiçada. Os turistas mais indelicados do mundo
Companhia aérea europeia vai começar a pesar os passageiros no check-in