A Câmara Municipal de Amesterdão anunciou um conjunto de novas regras para o famoso Red Light District: a partir de abril, os turistas que façam visitas guiadas em grupos com mais de cinco pessoas serão obrigados a voltar costas às montas durante as explicações turísticas.

Além disso, não serão permitidas fotografias às montras, e os guias terão de pedir uma licença – que custa 100 euros e tem a duração de um ano e meio – e comprometer-se a fazer cumprir as regras. Todas as visitas guiadas terminarão antes das 23 horas, os grupos não poderão parar em zonas com muitos aglomerados, e as drogas e o álcool não serão permitidos.

As visitas com mais de 20 pessoas passam a ser proibidas e, caso os guias turísticos não executem as novas implementações, pagam uma multa de 190 euros (se trabalharem de forma independente) ou de 950 euros (se trabalharem para uma empresa) – e perderão as suas licenças depois de três incumprimentos.

«O número de passeios organizados aumentou consideravelmente nos últimos anos. Nos momentos mais movimentados, entre as 11h e as 12h, 27 grupos visitam o Oudekerksplein por hora», afirmou a Câmara de Amesterdão em comunicado.

Estas regras têm como objetivo reduzir as multidões na área e proteger a privacidade das trabalhadoras do sexo. A prostituição é legal na Holanda desde 2000, e cada profissional é obrigado a pagar impostos, devendo registar-se na câmara de comércio como trabalhador independente.


Veja também:
Amesterdão tem uma nova solução para o excesso do turismo
Os turistas mais delicados do mundo