Ilustre e desconhecida

Uma estância balnear à beira do Báltico pode não parecer o local mais apetecível em meses de frio e de inverno, mas Sopot é terra para todo o ano. E para reservar já o seu lugar antes dos meses de calor.

Texto de Ricardo Santos

A motivação para lá ir surgiu numa noite entre amigos. O concerto de um músico respeitado que nunca atuou em Portugal levou a que os bilhetes de avião fossem marcados sem se saber nada dessa desconhecida Sopot, na Polónia. De Lisboa a Munique e da cidade alemã até lá foram 3333 quilómetros de avião, saída de madrugada e chegada ao fim da tarde. E foi quase às escuras que chegámos à cidade que alguns sites polacos traduzidos para inglês descrevem como the party capital of Poland.

Gdansk, Gdynia e Sopot formam um triângulo urbano junto ao mar Báltico, separadas por poucos quilómetros entre si e com fronteiras terrestres que quase não se percebem. Sopot é a face mais pequena da figura geométrica e uma mistura de estilos difícil de igualar. Entre os edifícios do século XXI e as casas típicas polacas do início do século XX está uma cidade onde não faltam bares, restaurantes, cafés, lojas e uma vasta extensão de praia à espera dos mergulhos dos visitantes estrangeiros mais corajosos. Para dar colorido ao cenário não falta um imponente hotel virado para o mar e bancas de gelados e queijo fumado acompanhado de compota caseira para dar ainda mais ar de férias aos passeios pelo molhe. Afinal, este é o maior porto de madeira da Europa e o turismo local tem todo o gosto em comunicá-lo oficialmente.

O encanto de Sopot começou a ser descoberto em 1823, quando um antigo médico que esteve ao serviço de Napoleão (Jean Georges Haffner) para aqui veio a banhos, aproveitando a oferta termal. A localidade já era conhecida como centro piscatório desde o século XIII, mas nos Oitocentos começaram a chegar os ricos aristocratas, aumentando o fluxo no século seguinte, em especial depois da Segunda Guerra Mundial, conflito que levou ao batismo da mais famosa rua da cidade – Bohaterow Monte Cassino. É a homenagem aos heróis da cidade italiana onde decorreu uma das batalhas (quatro, na verdade) mais sangrentas da guerra de 1939-1945.

Durante os anos de comunismo, a cidade manteve-se no topo das preferências dos polacos, e não só, já que aqui decorria o equivalente do Bloco de Leste do Festival Eurovisão da Canção. Após 1990 foi a vez de os famosos e recentes endinheirados do pais escolherem Sopot para mostrar publicamente as suas excentricidades. Hoje, a cidade é um dos locais com melhor qualidade de vida do país para se viver, graças às zonas verdes, ciclovias, trilhos na natureza e muitos quilómetros de praia. Ao fim de semana continua a ser um retiro para os habitantes de Varsóvia, a capital que está a cerca de quatrocentos quilómetros.

Sopot é uma simpática surpresa num país onde Cracóvia e Varsóvia dominam as atenções. Ideal para descobrir num fim de semana. Eis alguns locais a visitar.

1. Opera Lesna
Uma sala de espetáculos ao ar livre como não há muitas no mundo. Está a cerca de dois quilómetros do centro de Sopot e o caminho até lá faz parte da experiência. Da área urbana chega-se à floresta densa onde um anfiteatro com capacidade para cinco mil pessoas recebe quem chega. A acústica é ótima tal como o projeto arquitetónico. Tem bar e zona de restauração para os momentos antes e durante os concertos, com destaque para um espaço debaixo do palco principal. Consulte o site oficial para a agenda de eventos.
Ul Moniuszki 12
Tel. +48 585558400
operalesna.sopot.pl

2. Molo
É o mais comprido pontão de madeira da Europa, com 515 metros que entram pela baía de Gdansk, no mar Báltico. Foi construído em 1928 e não é difícil descobri-lo, já que o cais está no fim da Rua de Monte Cassino, em frente ao Grand Hotel. Antes do acesso com bilhete poderá encontrar também uma fonte, um farol e várias bancas de artesanato e de petiscos tradicionais, como o queijo fumado, gelados e salsichas. A caminhada pelo pontão faz parte de qualquer visita e é também deste ponto que partem os pequenos cruzeiros para descobrir o Báltico, alguns deles com oferta de bar aberto. A marina tem capacidade para cem embarcações e só se paga bilhete para visitar o pontão de 29 de abril a 24 de setembro.
Aberto também à noite.
Entrada: dois euros
molo.sopot.pl

3. Restaurante Morska
Tem vinho português na carta e isso é logo um sinal de bom gosto. O Morska é um dos restaurantes mais elegantes da cidade e tem a vantagem de não estar no olho do furacão que é Sopot à noite. Fica numa pequena rua perto de Monte Cassino e apresenta boas surpresas na ementa, como bacalhau fresco, sopa de peixe, marisco variado e carnes de grande qualidade. É recomendável fazer reserva já que é um dos locais com melhor energia de Sopot, em grande parte devido à simpatia dos funcionários e à excelência dos ingredientes.
Morska 9
Tel. +48 58 351 35 55
Aberto de terça a domingo das 12h00 as 22h00 (sexta e sábado até às 23h00)
Preço médio: 30 euros
morska.com.pl

4. Monte Cassino
A rua homenageia os heróis das batalhas de Monte Cassino, um dos momentos mais marcantes da história militar moderna da Polónia. Entre janeiro e maio de 1944, com os Aliados a entrar em força na Itália continental (depois da invasão da Sicília), depararam-se com uma montanha às portas de Roma defendida pelos alemães com unhas e dentes. No centro da ação estava o mosteiro beneditino de Monte Cassino, a 1100 metros de altitude. Cerca de 25 mil homens perderam a vida neste conjunto de quatro batalhas que terminaram com a entrada no mosteiro do 12.º regimento polaco de Podolian Uhlans. Nem só de humanos se fez esta vitória. Do lado dos polacos estava também um urso castanho – Wojtek – que ajudou a transportar munições para quem estava na linha da frente. Também ele é um dos heróis de Monte Cassino homenageados nesta rua de bares, restaurantes, discotecas e comércio onde não faltam artistas de rua.

5. Grand Hotel
É o edifício mais imponente e emblemático de Sopot, a homenagear da melhor forma as grandes obras arquitetónicas da arte nova. Tem o charme dos outros tempos e a modernidade de um grande grupo hoteleiro que lhe confere a classe suplementar para quem procura um hotel de topo à beira do mar. Tem praia privativa, spa, centro de bem-estar, restaurante e bar de champanhe e caviar. Oferece 127 quartos com vista para a baía ou para o parque adjacente.
Powstańcow Warszawy, 12/14
Tel. +48 585206000
Quarto duplo a partir de 88 euros sem pequeno-almoço
sofitel.com

6. Igreja de São Jorge
Quem chega ao centro de Sopot pelo topo da Rua de Monte Cassino tem à sua espera esta igreja imponente do início do século XX. A sua construção foi financiada pelo Kaiser Guilherme II e o design também teve de ser aprovado pelo imperador. A construção foi terminada em 1901 e a sua torre passou a ser ponto de referência para pescadores e marinheiros da baia de Gdansk. Apesar de ser um templo católico tem um passado de instituição protestante, o que lhe confere um ambiente menos austero, como se comprova pelo colorido das suas paredes e portas.
Missas ao domingo as 07h30, 09h30, 11h, 12h30, 18h e 19h30


Veja também:
Cruzeiro pelo rio Nilo: uma das mais míticas viagens do mundo
Montenegro: o que visitar num país para muitos desconhecidos