Natural de Detroit, EUA, Jessica Nabongo traçou um objetivo de vida bem ambicioso: ser a primeira mulher negra a visitar todos os países do mundo. O propósito? Abrir caminho para que outras mulheres embarquem na mesma aventura.

Filha de pais ugandenses, Nabongo guarda dois passaportes na carteira. Depois de ter trabalhado em inúmeras empresas, rapidamente percebeu que o seu ‘sonho americano’ não passava por ter um emprego ‘normal’.

Alugou o apartamento para ganhar algum dinheiro e, depois, ‘fez-se à estrada’. Ensinou inglês no Japão, fez uma pós-graduação na London School of Economics e trabalhou ainda para a ONU – Organização das Nações Unidas. Contudo, manteve-se insatisfeita – o ‘bichinho’ das viagens ainda não estava saciado com estas experiências.

De acordo com dados divulgados pela CNN Travel, até ao momento, existem cerca de 150 pessoas que visitaram todos os países do globo. A maioria são homens europeus, mas Nabongo pretende contrariar as estatísticas.

Desde que começou a viajar, em 2016, Nabongo já visitou 109 dos 193 países do mundo. Até ao final de 2018, a viajante planeia chegar aos 172 e, até ao final do verão do próximo ano, espera já ter conseguido fazer ‘check’ em todos os países.

“Sendo mulher, viajar pelo mundo pode ser muito difícil”, frisou a influenciadora digital à CNN Travel. “Tive uma grande variedade de experiências. Já tive homens a perseguirem-me e já fui agredida na rua”, contou.

Para apoiar este seu ‘vício’, a blogger de viagens decidiu fundar a Jet Black, uma empresa que organiza itinerários personalizados para curtas viagens de grupo em África e que vende alguns produtos (como capas para o passaporte). Para além deste projeto, Nabongo aceita ainda doações na página GoFundMe.

Para a blogger, percorrer o mundo é mais do que riscar da lista os nomes dos vários países. Nabongo pretende alterar a perceção das viajantes do sexo feminino, das viajantes de todas as cores e de qualquer outra pessoa que não tenha a hipótese de visitar um determinado local do mundo.

“O racismo é algo incontornável. Não há nada que possamos fazer para mudar isso. A História traçou-se desse modo. Existo neste mundo como uma pessoa negra e não vou permitir que isso me impeça de ir a qualquer lugar que queira. Ou seja, a todo o lado”, sublinhou Nabongo à mesma publicação.

Na fotogaleria acima pode ficar a conhecer algumas das fotografias captadas durante as viagens de Nabongo, publicadas na sua página de Instagram. Veja também o vídeo abaixo:

a carregar vídeo

Márcia Monteiro começou a viajar sozinha e nunca mais parou


Veja também:
Poupou 1 milhão de dólares, reformou-se aos 31 e agora viaja pelo mundo
Como Patrícia Campos deu uma volta à vida e se tornou viajante profissional

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.