Da Ponta do Ouro à foz do Rovuma são 2515 quilómetros de uma costa esplendorosa e miraculosamente virgem. Ou bem perto disso. Viagem país acima, mergulho após mergulho, sempre a entrar e a sair do mar. À procura do mítico tubarão-baleia ou do próximo caril de caranguejo, é impossível cansarmo-nos de Moçambique. O país visto por quem é de lá.

Texto e fotografia de José Sérgio

É domingo de manhã em Maputo e as ruas estão desertas, mas do outro lado da Avenida Julius Nyerere alguém buzina e trava a fundo para me chamar: «Zé! Zé!» Háde ser assim no bar de um hostel do Tofo e a caminho do mercado em Vilanculos, na tarde em que paro para fotografar a mulher sentada na âncora junto à icónica porta da Capitania da ilha de Moçambique. Ou depois, já em Pemba, na esquina onde desço de chinelo no pé para a praia de Wimbi, onde os turistas dos resorts ainda estão em minoria e o Índico é sobretudo de quem nasceu aqui e nunca viu outro mar.

Tantos anos depois, este país ainda se lembra do meu nome, ainda me trata por tu, no seu espanto todo cheio de interjeições e de pontos de exclamação. Mas por mais que eu o reconheça, e por mais que me reconheçam, é como se nunca tivesse estado aqui: pela primeira a vez, chego a Moçambique de férias e acredito que posso atravessar o meu país como um estrangeiro. Pelo menos até ser desmascarado pelas interjeições e pelos pontos de exclamação: da Ponta do Ouro até à foz do Rovuma, ou mais exatamente de Maputo até ao Ibo, sempre com os pés dentro do Índico, haverá boas razões para os usar.

País acima, venho à procura do mítico tubarão‑baleia que se passeia nas calmas pelas águas em frente ao Tofo e do caril de caranguejo que – é o que dizem, eu não sei porque sou estrangeiro – virá para a mesa já pronto a comer (nada de batalhas campais com martelos e demais artilharia pesada, como na Europa).

Venho à procura das dunas de Bazaruto para confirmar (vendo tudo de cima, como quem criou o mundo) que o Índico se esmerou especialmente aqui, e dos esplendorosos mangais, para mim totalmente estrangeiros (serei sempre um maputeco e estes são os meus antípodas), do arquipélago das Quirimbas, que se abrem para eu passar na maré vaza e voltam a ser tragados pelo oceano horas depois, como num filme com muitos efeitos especiais. São cinco da manhã, o chapa para em frente ao Fatima’s Backpackers. Escolho um lugar à janela, do lado direito: quero ser o primeiro a ver o Índico.

Quilómetro 501 – Tofo, província de Inhambane

A mancha de coqueiros a perder de vista, como um biombo que é preciso transpor para finalmente ver o mar, depois de tanto suspense. O areal enorme onde os meninos das redondezas passam os dias a vender água de coco (que aqui se chama água de lanho), capulanas, espanta‑espíritos, castanhas de caju. E lá está Moçambique a tratar‑me por tu: desde que me conheço como gente que percorro as ruas de Maputo sozinho com os meus amigos do bairro – brinquei com pneus, fiz carrinhos de arame, joguei à bola, e se tivesse tido de vender alguma coisa para levar dinheiro para casa também não teria sido um desprimor. O peixe fresco das manhãs de mercado. O Índico sempre tão arrebatador e tão vivo.

Apareceram novos hotéis, os estrangeiros construíram novas casas, o mercado passou a ter novas instalações, os bares inventaram novos cocktails, e o mundo descobriu uma nova atração, o tubarão‑baleia. Ainda assim, o Tofo continua a ser a estância descontraída mas sempre pronta para uma festa (a não ser na época baixa, a ideal para quem quer ter a praia por sua conta) de há vinte anos. Desta vez, porém, tenho encontro marcado com uma das mais assombrosas criaturas marinhas que habitam os mares do planeta, e por isso a adrenalina vai em crescendo desde o pequeno‑almoço na atmosférica esplanada do Fatima’s Nest, mesmo em cima do areal, até à hora de empurrar o bote para o mar alto e fazer figas para que o tubarão‑baleia ande por perto.

Nadar com o tubarão-baleia é uma experiência na ordem do milagre, sobretudo nestas águas quase intocadas pelo turismo de massas.

É uma questão de sorte, mas também de persistência, e quanto mais ele se fizer difícil (às vezes não aparece de todo…) maior será a epifania. Não há interjeições nem pontos de exclamação que lhe façam justiça: nadar com o tubarão‑baleia é uma experiência da ordem do milagre, sobretudo nestas águas ainda intocadas pelo turismo de massas onde é possível tê‑lo só para nós e mais quatro ou cinco pessoas, longe das multidões de mergulhadores e snorkellers que o costumam rodear noutros dos seus habitats naturais.

Depois de o ver, depois da fantasia que é tentar acompanhá‑lo mar adentro nem que seja por uns minutos (porque a velocidade desta criatura não é para qualquer pulmão, mesmo quando se trata, como foi o caso, de um macho jovem de «apenas» sete metros de comprimento), talvez esteja cumprida a missão no Tofo, a não ser que queiramos festejar o feito (queremos!) na esplanada de um dos melhores e mais bonitos restaurantes de Moçambique, o Green Turtle, com caipirinhas de maracujá e mojitos de manjericão, de olhar perdido no solitário dhow que acaba de se fazer ao Índico. Longa vida ao tubarão‑baleia, que é boa gente como se costuma dizer dos de Inhambane! E agora sigamos caminho.

Quilómetro 715 – Vilanculos, província de Inhambane

Continuo por terra mas em direção ao mar, com o Índico sempre à minha direita, por mais que se esconda atrás da savana, das lojas de beira de estrada e das aldeias de caniço. Quando volto a vê‑lo em Vilanculos, mudou de cor: é de um verde-esmeralda de postal ilustrado, que há de tornar‑se ainda mais fosforescente (parece Photoshop, mas é mesmo a realidade) à medida que for prosseguindo para norte. Tal como no Tofo, tenho uma missão aqui: atravessar pela primeira vez até às ilhas de Bazaruto. Não de avioneta, como muitos dos que se isolam do mundo nas estâncias paradisíacas do arquipélago e nunca chegam a saber que Vilanculos é uma cidade com vida própria, um mercado sempre cheio do peixe fresco que vejo os pescadores a recolherem nas suas redes artesanais (ou mesmo a apanharem à mão) desde que o Sol nasce até que o Sol se põe, e febres de sábado à noite até às tantas. É para ir de barco mesmo, sem tirar os pés do Índico, se o mar estiver de feição.

Talvez o melhor de todo o arquipélago esteja debaixo do Índico, nos recifes de coral tipo Disneylândia que, ultrapassada a «máquina de lavar» do ponto onde as águas do canal se cruzam com o mar aberto, é possível observar em todo o seu esplendor. Atenção que não é tudo nosso: por estas paragens há animais de todos os tamanhos, incluindo os colossais dugongos, os últimos da costa africana.

É do alto das dunas que se revela a imprevisível diversidade de Bazaruto, toda a savana por dentro e toda a praia por fora.

Agora que finalmente chego a este paraíso como um estrangeiro decido que o sítio de onde o quero ver fica em terra firme: do alto da imensa duna que – surpresa! – revela a imprevisível diversidade da ilha de Bazaruto, toda savana por dentro e toda praia por fora, uma praia como as que supomos que terão existido no princípio do mundo, quando ainda não fazíamos parte do ecossistema. Ou então porque é sempre bom haver um plano B, dos imensos bancos de areia que a maré‑baixa destapa na ilha de Benguerra e que a rasgam ao meio, confirmando que nasceu para ser este venturoso portal para o Índico.

Estou pronto para mais um caranguejo grelhado ali mesmo, em cima do carvão, e para uma cerveja estupidamente gelada. E depois volto a apanhar o barco porque não quero perder o fim da tarde na praia de Vilanculos. Até ao pôr-do-sol, as mulheres virão vender o peixe acabado de pescar, os rapazes jogarão futebol com o alarido digno de um clássico e serei capaz de provar aos mais velhos que sou de facto moçambicano puxando pelo pouco que ainda me lembro do bitonga (ou guitonga), o dialeto dominante em Inhambane. Os resorts cinco estrelas ficam do lado de lá, mas acho que é esta a minha ideia de turismo de luxo.

Quilómetro 2265 – Chocas-Mar, província de Nampula

Já não falo a língua: cheguei ao norte do país, estou em território macua. É mais difícil provar que sou moçambicano, riem‑se do meu sotaque ou das minhas maneiras de estrangeirado, só acreditam quando mostro o bilhete de identidade. Passaram‑se mais de 1500 quilómetros e apenas o Índico não mudou radicalmente, ainda que esteja cada vez mais luminoso, mais incandescente (sou do sul mas tenho de admitir: o mar aqui é outra coisa).

Por uns dias desviei‑me da costa, ou pelo menos da missão de não tirar os pés do Índico. Distraí‑me dele com os elefantes da Gorongosa, as igrejas e os fantasmas da ilha de Moçambique. Mas antes de continuar a subir para o destino final – o arquipélago das Quirimbas – recentro‑me.

No norte do país, território Macua, o Índico mostra-se cada vez mais luminoso. É uma experiência hipnotizante.

E ainda bem que me recentro agora, porque até ao fim da viagem haverá mar e mar, mas não haverá visão como a que me espera pouco depois de desembarcar na praia de Chocas-Mar e de comprar meio quilo de amêijoas a quem passa: a visão que desce sobre a praia quando chega um dhow carregado de mulheres vindas do mercado e de repente o areal se transforma numa movimentada estrada a perder de vista, onde roupas de todas as cores refletem o sol do meio‑dia e se afastam a brilhar até desaparecerem no horizonte. É altura de voltar a abusar dos pontos de exclamação.

Quilómetros 2468 – Pemba, província de Cabo Delgado

É científico: quanto mais a norte, mais o Índico se esmera. E como a ex‑Porto Amélia dos portugueses fica num dos pontos de Moçambique onde a costa mais se encaracola, mais se recorta e mais se desdobra – estamos a falar da terceira maior baía do mundo –, o que já era verdade antes aqui é verdade ao quadrado ou ao cubo. Há praias para todos, para tudo: exclusivas ou do povo, selvagens ou super equipadas, desertas ou apinhadas.

Mas quer estejamos numa de nos enturmarmos na movida local da popular Wimbi, à procura de paz e sossego em família numa villa da mais reservada Chuíba ou à procura do paraíso para kitesurfers (e não só) de Murrebué, o mar será sempre uma experiência hipnotizante. Tanto que de repente parece possível, e a certas alturas é mesmo, caminhar sobre as águas indefinidamente, até ao infinito e mais além. Começo a duvidar quando me dizem que ainda há um último lugar onde o Índico é mais impressionante.

Quilómetro 2547 – Ibo, província de Cabo Delgado

No imaginário de qualquer moçambicano nascido no sul do país (ou mesmo de qualquer moçambicano), o arquipélago das Quirimbas é uma espécie de última fronteira. E é mesmo, confirmarei quando se acabar o dinheiro e perceber que aqui não há ATM. A questão é que nada disso importa quando se chega ao Ibo – até porque para lá chegar já houve uma viagem de barco através dos mangais que lentamente nos foi desligando das coisas do mundo, postas em suspenso algures numa realidade paralela.

Entreposto comercial abastado nos anos negros do tráfico de escravos e da exploração do trabalho forçado sob a égide da Companhia do Niassa (1890‑1929), vila colonial de muito mais relativa importância depois, o Ibo é hoje a testemunha singular da ascensão e da queda de um império, cujas marcas ficaram para sempre gravadas na arquitetura e no traçado urbano (e num herói local incontornável, o historiador amador João Batista, sempre disponível para abrir o fascinante arquivo que é a sua memória).

Não há palavras para a visão que se tem da praia quando chega um dhow carregado de mulheres vindas do mercado. O areal transforma-se em estrada a perder de vista.

Ainda que a maioria desse passado esteja em ruínas, ele continua vivo no nome das ruas («Almirante Reis», lê‑se numa das mais centrais), na profusão de igrejas (entretanto substituídas no quotidiano pelo predomínio das mesquitas, que dão bem conta da influência suaíli), fortes e demais edifícios coloniais que se vão reconvertendo ou morrendo de pé. Um dos mais fascinantes lugares de Moçambique, o Ibo é também um dos mais misteriosos. Afinal, conforme a maré, e os caminhos entre os mangais que ela desvenda ou oculta, o Ibo abre‑se e fecha‑se ao exterior.

Expandindo‑se até à vizinha Quirimba (a que é possível, em certas horas do dia, aceder a pé numa caminhada de várias horas) e a outras ilhas descaradamente próximas da imagem mental que temos do paraíso. Ou recolhendo‑se para dormir, à noite, depois do mais avassalador pôrdo Sol desta viagem de 2500 quilómetros que talvez tenha esgotado a minha reserva (e era enorme) de pontos de exclamação.


Moçambique

Documentos: Passaporte
Moeda: Metical (MZN). 1 euro equivale a 75 MZN
Fuso horário: GMT + 1 hora
Idioma: Português e mais de 40 línguas nativas

Ir

A TAP tem voos diretos para Maputo e é a opção mais confortável para quem não quer perder tempo em escalas. Se não tiver pressa, a Turkish Airlines, que faz paragem em Istambul e Joanesburgo, pode ser uma opção consideravelmente mais económica.

Ficar

Tofo

Fatima’s Nest
Um clássico do roteiro backpackers de Moçambique. A magnífica esplanada está mesmo em cima do areal, tem uma série de bungalows simples mas confortáveis, construídos em parte com materiais tradicionais, e as áreas comuns ideais para quem quer socializar noite fora.
Tel.: +258 821851575
fatimasbackpackersmozambique@gmail.com

Baía Sonâmbula
Se estiver à procura de sossego e de uma atenção minuciosa aos detalhes, o é o sítio certo, com uma limitadíssima seleção de quartos com vista para o jardim e outras tantas villas abertas para o Índico. O padrão de exigência mede‑se pela mesa do pequeno‑almoço, imbatível.
Tel.: +258 848552739
baisonambula.com

Vilanculos

Dolphin Dhow
Com acesso direto à praia e toda a parafernália necessária para mergulhar mesmo à mão. É uma opção acessível e adequada a orçamentos limitados. Noutro patamar, a excelente Casa Rex merece todas as recomendações.
Tel.: +258 844624700
dolphindhowsafari.com
Tel.: +258 840335446
solresortsonline.com/casa-rex

Ibo

Baobibo
Projeto exemplar pela forma como se soube inserir num ecossistema e numa comunidade singulares, mas também pelos belíssimos quartos, pelas excelentes refeições e pelos preciosos conselhos prestados a cada hóspede.
Tek.: +258 875382857
baobibo.com

Comer

Tofo

Para almoços descontraídos e com vista para o mar, os pratos do dia do Fatima’s Nest são mais do que recomendáveis (atenção à matapa, ótima). No centro, o Zanzi, com uma cozinha imaginativa, e a Casa de Comer, onde o caril de caranguejo é de lamber os dedos, são muito boas opções. Se o céu for o limite, o Green Turtle, na vizinha praia da Barra, não tem rival possível: o cenário é perfeito, tal como a carta.

Vilanculos

Na sua casa num bairro modesto como muitos outros em Moçambique, Leopoldina prepara deliciosos pratos caseiros, incluindo uma inesperada shakshuka do Médio Oriente. Para uma opção mais formal, não se dispensa a Casa Rex, com um alpendre perfeito para cocktails antes de jantar, chamuças de caranguejo e sobremesas verdadeiramente mortais.

Ibo

A restauração local é vivamente recomendável. O melhor é perguntar no Baoibo, onde existe uma lista atualizada das famílias que abrem as suas portas para almoços e jantares.

Mergulhar

Tofo

A Volta ao Mundo só tem rasgados elogios a fazer à Diversity (e aos deliciosos bolos do café). A equipa é profissional, experiente e atenta e saberá ajudar a escolher o safari no Índico mais adequado às expetativas e à desenvoltura de cada um. diversityscuba.com

Vilanculos

Para explorações em torno do arquipélago de Bazaruto, o Dolphin Dhow tem tudo o que é preciso. Em caso de dúvida, pergunte ao Júnior.


Agradecimentos:

A Volta ao Mundo agradece à Fatima’s Nest, Diversity e Dolphin Dhow pelo apoio prestado.


Veja também:
Maputo: de coração aberto e com sabor a África
Guia musical de Moçambique: o ritmo que arrebenta

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.