Ultrapassados os traumas da Guerra dos Balcãs, a Croácia assume em pleno a sua enorme vocação turística e afirma-se como um dos destinos mais desejados do momento. Nesta reportagem fotográfica exploramos o seu lado mais natural.

Karlovac

Os croatas chamam-lhe «o condado dos rios». Na idílica vila de Rastoke não é preciso muita imaginação para se viajar ao reino da fantasia. Nesta fotografia: o parque de merendas a seguir a uma tarde bem passada a praticar rafting.

Ogulin

Todos os anos, no início do verão, Ogulin, no condado de Karlovac e conhecida pelo castelo Kula, cumpre o seu ideal de «terra dos contos de fadas» e organiza um festival com essa mesma temática.

Nikola Tesla

Os pergaminhos naturalistas da Croácia não são de agora, mas o turismo ao norte não vive só de aventuras e desportos radicais. Entre as atrações, o herói local, o «pai» do gerador de corrente alterna, inspirou um pequeno museu a visitar.

As grutas

No parque Grabovača, a descida à gruta Samograd lembra a entrada de uma catedral. Três das seis escavações subterrâneas do parque são consideradas monumentos de interesse nacional.

croacia7

Como ir

País da Europa Central, entre os Balcãs e o Mediterrâneo, faz fronteira com a Eslovénia, Hungria, Sérvia, Bósnia-Herzegovina e Montenegro. São 1778 quilómetros de costa banhada pelo mar Adriático. Há voos diários da TAP para os aeroportos principais de Zagreb e Dubrovnik. À chegada, poderá alugar um automóvel, a melhor forma de se deslocar no país, por cerca de trinta euros por dia. No Norte da Croácia, onde fica a capital Zagreb, o clima continental gera invernos rigorosos e verões longos e quentes, com amplitudes térmicas variáveis entre os 15 graus negativos e os 38 positivos.

Onde dormir

O Hotel Korana (hotelkorana.hr), um quatro estrelas familiar, foi construído em 1906 na localidade de Karlovac, a cerca de cinquenta quilómetros de Zagreb. O nome da unidade hoteleira deriva do vizinho rio homónimo inserido
no Parque Vrbanic Gardens.

Remodelado em 1997, o Hotel Plitvice (np-plitvicka-jezera.hr) fica no interior do Parque Nacional Plitvice, Património Mundial da UNESCO. Sessenta anos após a sua criação continua a ser uma das fortes apostas do turismo croata. Quarto duplo entre 518 e 858 kunas (cerca de € 69 e € 114, respetivamente) com pequeno-almoço.

A não perder

Primeiro parque nacional da Croácia, Plitvice foi criado em 1949. Com uma área total de 296 quilómetros quadrados, foi classificado como Património Mundial pela UNESCO em 1979. Deslumbrantes quedas de água, lagos, floresta e uma rica diversidade de vida animal são os maiores encantos de Plitvice (np-plitvicka-jezera.hr/en). O visitante pode percorrer os cerca de oito quilómetros de caminhos e passadeiras de madeira em redor dos lagos para melhor desfrutar da paisagem relaxante. O preço das visitas ao parque varia entre 55 e 110 kunas – equivalente a 7 e 15 euros, aproximadamente.

croacia16

A entrada para crianças até aos 7 anos é gratuita. Por sua vez, no Parque Adria Velebitica (adria-velebitica.hr), em Rizvanusa, a cerca de duzentos quilómetros a sul de Zagreb, pode apreciar as paisagens de Velebit e Lika. Arborismo, tiro com arco, escalada, parede, quad, safari e paintball são algumas das atividades radicais disponíveis para o público em geral, com acompanhamento de monitores. As descidas de rafting no rio Mreznica, por exemplo, podem ser organizadas pela empresa local 4 Rivers Adventure (Tel.: +385 047851012). Vale ainda a pena uma ida a Rastoke, localidade do município de Slunj, para se deslumbrar com as quedas de água, num cenário digno de conto de fadas.

A cinco quilómetros de Slunj ficam as grutas Bara, mas não são as únicas que merecem uma visita. Em Grabovača, no município de Peruši, três das seis escavações subterrâneas do parque são consideradas monumentos de interesse nacional. Por último, uma referência ao Museu Nikola Tesla, localizado em Smiljan, a 15 quilómetros de Zagreb, terra onde nasceu o «pai» (1856-1943) do gerador de corrente alterna, da transmissão sem fios, entre outras invenções eletrotécnicas, fundamentais ao nosso quotidiano.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Texto e Fotografias de Fernando Marques