Num luxo com simplicidade, este hotel remodelado pela Sheraton convida ao descanso e fica apenas a 30 minutos de Lisboa e a dois passos das praias de Cascais.

Após a saída da A5, pouco se demora até encontrar a Quinta da Marinha. Chegados, rapidamente percebemos o quão longe ficará a azáfama diária, mal se cruze a cancela, que parece acrescentar um pouco mais de bem-vindo isolamento.

No novo Sheraton Cascais Resort, esse isolamento não é senão ilusório: o centro da vila está a 10 minutos de carro e o de Lisboa, sem trânsito, fica a meia hora. O espaço que foi antes o Vivamarinha Hotel & Suites, passou a operar sob a bandeira Sheraton em fevereiro. O edifício de grandes dimensões tem espaços amplos e em tons entre o bege, o castanho, o cinzento e o preto, quase sempre com ligação ao exterior. E o exterior é um dos grandes atrativos. Para chegar à piscina é preciso andar um pouco, fica mais afastada e por isso longe dos olhares de quem está nos quartos. O resort tem ainda spa, com tudo aquilo que se espera, e uma convidativa esplanada no restaurante Glass Terrace, onde são também servidos os pequenos-almoços.

Os quartos apresentam áreas generosas, de 32 a 45 metros quadrados nos quartos deluxe, até aos 207 metros quadrados da deluxe suite tripla. E já que estamos a falar de um hotel, e os hotéis servem sobretudo para dormir, uma referência aos colchões e almofadas, apanágio da cadeia.

As suites são autênticos apartamentos. O restaurante está a cargo do chef João Vieira.

«Estamos num processo de evolução», explica Pedro Santos, diretor-geral do hotel. «Já fizemos muitas alterações e faremos ainda mais.» O «primeiro» restaurante está a cargo do chef João Vieira e propõe cozinha mediterrânica. O Glass Terrace tem ambiente tranquilo. Merece boa nota e uma visita, mesmo de quem não é hóspede. É caso para dizer: isolemo- nos em boa companhia.

Sheraton Cascais Resort
Rua das Palmeiras, 5, Quinta da Marinha
Tel.: 214829100
Web: sheratoncascais.com
Quarto duplo a partir de 130 euros (inclui pequeno-almoço)
Preço médio (rest.): 25 euros

Texto de TIago Guilherme - Fotografia de Leonardo Negrão/Global Imagens