A câmara do fotógrafo que acompanhou Cavaco Silva nos dez anos de presidência teve uma vida paralela. Este é o relato das viagens oficiais pelo mundo, mas em fotografias não oficiais.

Durante os últimos dez anos ouvi dizerem-me muitas vezes: «És fotógrafo do presidente? Então fartas-te de viajar!» Para mim, a viagem implica tempo para a descoberta e o tempo de uma visita presidencial é espartilhado ao minuto, quase sem pausas de permeio, com programas rígidos cheios de cerimónias, reuniões, conferências, assinaturas e discursos. É trabalho, e creio ser por isso que se chamam oficialmente a estas deslocações «visitas» e não «viagens».

Em geral, as fotografias que tirei a temas paralelos às visitas foram feitas de modo fortuito: tiradas da janela de um carro ou enquanto esperava pelo início de um evento ou mesmo durante os acontecimentos que estava a cobrir, mas olhando para algo à margem.

Nunca se consegue a disponibilidade mental para absorver profundamente o que se vê e não damos largas ao prazer do acaso que faz parte da viagem. Muitas vezes fiquei com o desejo de voltar com tempo para me embrenhar no espírito dos lugares, e uma ou outra consegui mesmo regressar adequadamente, como na Turquia e na Índia.

«Numa viagem presidencial nunca se consegue disponibilidade para absorver profundamente o que se vê e não damos largas ao prazer do acaso que faz parte da viagem.»

Lembro-me de na visita de Estado à Índia andar frustrado por não ter tempo de sair à rua para fotografar um pouco do dia-a-dia, sendo a primeira vez que estava no país. Em Mumbai, finalmente tivemos uma pausa de hora e meia e fugi para o meio da confusão das ruas em volta do hotel. Fotografei apoderado por uma força irresistível que me saciou na altura, mas que me fez voltar de férias ao fim de sete anos ao que muitos apelidam como o «paraíso dos fotógrafos».

No fundo, nestes dez anos com o presidente Cavaco Silva andei a tentar obter o melhor de dois mundos.

Luís Filipe Catarino, Fotógrafo
Nasceu em 1971 e trabalhou em diversas publicações nacionais, como o semanário Expresso e a revista Volta ao Mundo. Aqui chegou no ano 2000, tornando-se editor de fotografia. Até 2005 correu o mundo e, nesse ano, passou a fazer parte da agência 4SEE, onde continua a contribuir para a qualidade do fotojornalismo português. De 2006 a 2016 foi o fotógrafo oficial do presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. Nesse cargo cobriu diversas visitas de Estado e testemunhou, de muito perto, a atividade política e de protocolo do antecessor de Marcelo Rebelo de Sousa. Hoje, Luís Filipe Catarino continua a ter o prazer de viajar e o portfólio que nos apresenta é a prova de que essa paixão nunca acaba.

Fotografias de Luís Filipe Catarino/4SEE