A convite da Google, a «Volta ao Mundo» esteve em Madrid a conhecer as funcionalidades das aplicações para telemóveis e de que maneira nos podem ser úteis em viagem.

Madrid

Numa das cidades mais concorridas do mundo, há mais para descobrir para além das habituais referências turísticas. Há segredos ao virar da esquina, de se lhe «tirar o chapéu».

Das apps às tapas

Vai chover amanhã em Madrid? A resposta do telemóvel é importante na altura de fazer a mala. E esta é só uma das muitas perguntas para as quais os smart-phones têm resposta, graças ao desenvolvimento das aplicações da Google. Para isso basta, antes de partir, descarregar as mais úteis e estudar o plano a cumprir, seja para receber alertas sobre o voo, conhecer as rotas entre o aeroporto e o hotel ou até mesmo estabelecer uma conversa fluente noutra língua. Não acredita? É verdade e até funciona sem recorrer aos dados móveis. A aplicação principal da Google, para além de motor de busca, funciona como uma verdadeira «secretária» – dá-nos informação para o dia-a-dia assim que estiver sincronizada com Gmail, calendário e mapas. Quanto às utilidades em viagem, depois de efetuado o check-in online e recebida no e-mail a confirmação, é criado um lembrete com todos os detalhes do voo e um outro alerta no calendário. Quando for hora de sair de casa, o telemóvel dá sinal. Os viajantes enfrentam geralmente dificuldades para aceder à internet no estrangeiro. No entanto, há algumas formas de contornar o custo do roaming e continuar a dar uso às funcionalidades, por exemplo, de orientação numa cidade. O primeiro passo, em casa e com acesso a wireless, é pesquisar pela cidade na aplicação mapas. Neste caso vamos dar um salto a Madrid. Do aeroporto de Barajas ao centro da cidade são cerca de quarenta minutos e um print screen do percurso é uma opção para memorizar o trajeto.

Com um pequeno clique num hotel podemos pedir uma direção a partir de outra morada, consultar o preço por noite e classificação, ler críticas, ver fotografias ou até abrir o modo street view – imagens em 360º que permitem «conduzir» pelas ruas, ainda sem ter saído do sofá de casa. Gostou desse que viu? Basta carregar em «salvar» e fica assinalado no mapa. Quando não tiver internet e não se lembrar do nome, lá vai estar a estrela. Porque mesmo com os dados móveis desligados, o telemóvel dá a localização. Já não é preciso abrir e fechar vinte vezes o mapa gigante da cidade e ler, em letrinhas pequenas, o nome das ruas. Não é suposto ficar agarrado ao ecrã, o ideal será perder o norte e aproveitar a cidade. E, se tiver dúvidas, basta aceder às novas tecnologias.

Para começar

No coração da capital espanhola, todos os caminhos vão dar às Portas do Sol. E vão mesmo, até porque é ali que está o «quilómetro zero», ponto a partir do qual são medidas todas as distâncias por estrada. Depois de tirada a fotografia com os pés a pisar a placa, o roteiro pode então começar.
Seja qual for a direção, há avenidas com lojas e muita gente a circular e pequenas ruas e praças que convidam para as tabernas típicas e cervejas bem tiradas. Também os espaços verdes ocupam grande parte de Madrid e são importantes, principalmente no verão. De um lado está o maior, o Parque do Retiro, que todos os dias recebe grupos de amigos à conversa, desportistas amantes de ar livre e casais que passeiam em barcos a remos no lago. Do lado oposto, descobrem-se os mais arranjados canteiros no Sabatini, jardim junto ao Palácio Real. (1) Tomando como referência o imponente Palácio de Cibeles, (2) para sul desce-se o Passeio do Prado. A avenida verde passa pelos museus Naval (3) e do Prado, (4) Jardim Botânico e termina na Puerta de Atocha, a estação central de comboios. E na Praça de Cibeles cruza a última parte dos dez quilómetros da Calle de Alcalá, a maior rua de Madrid, com fim nas Portas do Sol. A meio caminho começa a Gran Vía, onde os edifícios crescem, tornam-se ainda mais fotogénicos, há lojas internacionais e tropeça-se nas cadeias de fast food.

Durante a viagem

De que maneira é que as aplicações podem ser úteis? Por exemplo, na altura de pedir uma indicação, ler a sinalética na rua ou a carta de um restaurante e a língua for um obstáculo, a Google ajuda. A dois passos das Portas do Sol está a emblemática Plaza Mayor e a outros dois o restaurante Los Galayos (5) (Calle Botoneras, 5; preço médio: 26 euros; losgalayos.net). Oferece uma carta tradicional, com pratos de excelência e lê-se que uma das especialidades é Cochinillo Asado. Não sabe o que é? Para salvar a situação sai do bolso um Tradutor com experiência em noventa línguas, tanto na escrita como em conversação. E a grande vantagem da aplicação é funcionar sem ligação à internet, desde que antes sejam descarregados os idiomas a usar (função apenas disponível para software Android). Outra ferramenta, talvez a mais impressionante, recorre à máquina fotográfica do smartphone e traduz diretamente no ecrã. Basta apontar para um texto e aparece a tradução, ajustando as palavras sem mexer no fundo. E até é possível desenhar letras que não estejam no teclado, por exemplo do alfabeto chinês. E, já agora, cochinillo é leitão…

Calle Mayor

É uma das ruas principais no centro de Madrid. Faz a ligação entre as Portas do Sol e a parte de trás da Catedral de Almudena (6) – visitada pelo Papa João Paulo II em 1993, tem pouco mais de cem anos e a sua arquitetura mistura os estilos neoclássico, neogótico e neorromântico.  De uma ponta à outra da rua encontramos o comércio local separado entre as fachadas coloridas, mas a paragem obrigatória é no Mercado de San Miguel, (7) o mais reconhecido da cidade. Lá dentro há de tudo o que de bom se come em Espanha. Não só as mais tradicionais tapas e marisco, mas também produtos gourmet. No entanto, os moradores consideram-no hoje como uma atração turística, mais do que um mercado à antiga. Vive carregado de turistas de máquina fotográfica na mão e nem tanto de madrileños.

Onde Comer

«Ok Google… Show me restaurants nearby» (mostra-me restaurantes aqui perto). Às vezes a comunicação em inglês torna a pesquisa mais fácil, tendo em conta que o português falado é o do Brasil. Após esta pergunta e com ligação à internet, não são precisos mais de cinco segundos para receber uma lista dos mais próximos. E na altura de decidir reservar um, porque não «ver o interior» antes? O Mapas já tem essa opção disponível para cada vez mais espaços. O restaurante Mercado de la Reina (8) é uma ótima opção para ir jantar e a noite pode começar com um balão cheio de gelo no gin club. Depois prova-se cozinha tradicional espanhola, de alta qualidade, num ambiente descontraído e acolhedor. A carta é muito variada e como entradas servem desde croquetes recheados aos queijos e enchidos, passando aos pratos de peixe, carne e também só de verduras.

Calle Gran Vía 12, Madrid
Horário: todos os dias, das 11h00 às 02h00
Tel.: (+34) 915213198
Preço médio.: 22 euros
mercadodelareina.es

Para descobrir

O bairro da Chueca é um dos mais conhecidos e deve-se em parte à comunidade gay. À noite, é uma das zonas mais animadas graças aos bares e à pequena praça por onde se estendem mesas de cerveja e gente simpática. E durante o dia vale a pena conhecer a arquitetura das casas, as lojas diferentes e o imperdível Mercado de San Antón. (9) Os vários andares modernos estão cheios de coisas boas e lá em cima há um terraço com esplanada. E por falar em terraços, um dos mais convidativos é noutra ponta da cidade, mas merece a deslocação. O rooftop bar está instalado na parte de cima do The Hat Hostel, (10) ecológico e moderno, com vista sobre os telhados alaranjados e para a cúpula da Igreja de San Isidro. É ideal para ir beber um copo à tarde.
Calle Imperial, 9
Preço médio por noite: 85 euros
em quarto duplo
thehatmadrid.com

Ir às compras

Entre as pedonais Calle Preciados e a Del Carmen estão reunidas, principalmente, lojas de roupa internacional. As ruas merecem ser percorridas mesmo sem intenção de compras. Até porque no fim está a Plaza del Callao: o local mais movimentado de Espanha e o terceiro da Europa, depois de Piccadilly Circus, em Londres, e a praça em frente ao Museu do Louvre, em Paris.

Onde ficar

O Only You Hotel & Lounge (11) é um dos hotéis mais modernos de Madrid. Está no centro, perto da Chueca, mas longe da confusão. Todas as divisões surpreendem pela decoração. O pequeno-almoço tem uma variedade de menus ideais para um dia de caminhadas. Isto para quem conseguir sair da cama…

Calle Barquillo 21, Madrid
Tel.: (+34) 910052222
Preço.: quarto duplo a partir
de 113 euros por noite
onlyyouhotels.com

No fim

De volta a casa, as fotografias ficam na Google Drive, quando configurada para backup automático. Convencido?

Texto de Nuno Mota Gomes - Fotografias de João Nogueira/Google
Roteiro da edição de julho 2015 - n.º 249