Nunca tire o cinto de segurança durante um voo

Nunca tire o cinto de segurança durante um voo
Texto de Nuno Mota Gomes - Fotografias Direitos Reservados 01 Nov 2016

Não lhe dizemos para não se levantar e esticar as pernas na viagem de avião, mas evite estar no lugar sem o cinto apertado. É que a turbulência está a aumentar cada vez mais e a atingir os aviões com surpresa.

O registo mais recente foi um voo da United Airlines, entre o Texas e Londres, forçado a aterrar na Irlanda, depois de atravessar uma zona de turbulência e ter sido «abanado» de forma assustadora. Das duzentas pessoas que viajavam, 23 pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas para o hospital.

Tem sido registado ao longo da última década um aumento de incidentes como este e os dados não mentem: a turbulência já causou a morte a dezenas de passageiros que voavam em aeronaves pequenas e dezenas de feridos em aviões comerciais.

A explicação está nas alterações climáticas. A variação de temperatura provoca aumentos do dióxido de carbono na atmosfera, produzindo diferentes níveis de fluxo de ar. Nessa altura, o avião é apanhado de surpresa por esses movimentos de ar instáveis.

A aviação também é parcialmente responsável pelas alterações climáticas, devido às emissões de carbono dos aviões. E mesmo os pilotos estando treinados para identificar essas zonas, os últimos incidentes indicam que acontecem sem aviso.

Só nos EUA, a média é de 58 passageiros feridos, por ano, obrigando os aviões a aterrar de emergência. A turbulência é uma das principais razões para que muita gente tenha medo de voar. Nada como ter o cinto apertado e evitar que salte do seu lugar de forma violenta – como tem acontecido.

 

Veja também:

Este é o maior erro que se comete com o cartão de embarque

É assim que é feita a comida servida nos aviões